Arquivo da categoria ‘Desenvolvimento econômico’

Para o Brasil, enfim chegou o amanhã

By PAULO PRADA

For the past century, Brazil has been a land of great potential—but few results. With runaway inflation and stratospheric national debt, the country was too much of a mess for anyone to take it seriously on the world stage.

How times have changed.

Consider this: In the face of the worst global economic crisis since the Great Depression, Brazil’s economic output dipped a tiny 0.2% last year, and is expected to grow as much as 6% this year. Everyday Brazilians have been too busy buying washing machines, cars and flat-screen televisions to even notice the downturn.

Brazil is already the biggest economy in Latin America and the 10th-biggest in the world. By 2050, it will likely move into fourth place, leapfrogging countries including Germany, Japan and the U.K., according to a study by Goldman Sachs.

Clearly, Brazil has turned a corner—and is now a nation with the heft, ambition and economic fundamentals to become a world power. But the country has enormous challenges it must overcome before it can fully live up to its potential.

Its public sector is bloated and riddled with corruption. Crime is rampant. Its infrastructure is badly in need of repair and expansion. The business environment is restrictive, with a labor code ripped from the pages of Benito Mussolini’s economic playbook. Brazil also risks patting itself on the back so much that it fails to see the colossal work that remains to be done.

“There’s too much good happening at the moment for the country not to take advantage of it,” says Ricardo Amorim, a well-known financial consultant in São Paulo. “Brazil has never had as much opportunity as it will have in the years ahead.”

Big Promise

Brazil has always had a lot to live up to, simply because of its size. The country is bigger than the continental U.S. and has almost as many people as Germany, France and the U.K. combined. Yet except when it came to soccer and music, many Brazilians themselves tended to believe the notion—apocryphally attributed to Charles de Gaulle—that “Brazil is not a serious country.”

Things started changing in the 1990s. The government adopted strict monetary policies and a laser-like focus on balancing the books. That fiscal prudence has given the country remarkable cash reserves—and breathing room during crises.

For instance, when the big downturn hit in 2008, private lending began to dry up. So the government, flush with cash reserves and the keys to an aggressive development bank, ordered state-run lenders to open the credit taps. The banks complied, lending out record amounts last year to Brazilians eager to join the country’s quickly growing consumer class. Internal demand soared, softening the blow of the slowdown.

“This is a different Brazil than 10 years ago,” President Luiz Inácio Lula da Silva boasted recently. Back then, he said, “the crisis in Greece would have already bankrupted Brazil.”

What’s more, there’s now a political consensus to avoid the mistakes of the past. Until recently, elections in Brazil were considered make-or-break contests between irresponsible, populist proposals and the voices of investment, stability and growth. Now neither leading candidate from the right or left in October’s election is expected to stray far from current economic policies, a functional blend of pro-business market rules and social-welfare programs.

Even a pledge for a bigger state role in the economy by Dilma Rousseff, Mr. da Silva’s outgoing chief of staff and his hand-chosen successor as the party’s candidate, isn’t scaring off the business community. “It’s refreshing to have an election and see there’s no fuss about either outcome,” says Andrew Béla Jánszky, a Brazilian investment lawyer in the São Paulo office of Shearman & Sterling LLP. “For once, stability is almost a given.”

The hard work has also enabled Brazil—already a leading exporter of iron ore, steel, coffee, soybeans, sugar and beef—to soar in sectors it once only dreamed about. After decades of research and investment, Brazil in 2007 discovered mammoth new oil beds beneath the Atlantic that are expected to double output in the coming years—generating billions of dollars in new revenue annually.

Cleaning House

The results of all these changes have been dramatic. The economic turnaround has pulled millions out of poverty and is creating a thriving middle class. For instance, Brazil’s northeast, long the source of internal migration to more-prosperous cities down south, now outpaces the rest of the country in growth. Companies there are scrambling to train workers, many experienced only as field hands, to build cars, appliances and computer parts.

The country’s promise is such that events that once rattled the faith of local and foreign investors are now taken largely in stride—be it the global financial meltdown or Mr. da Silva’s bear hugs and backslaps with leaders of regimes in Havana, Tehran and Caracas.

But before Brazil can achieve its first-world ambitions, it must tackle big economic, legal and social deficiencies that have hobbled its development.

For one thing, even after sweeping reforms, the government’s role in the economy remains relatively big. Government spending totals more than 20% of the country’s gross domestic product, compared with about 15% in the U.S., 13% in China and 7% in Indonesia, another fast-growing emerging market, according to data compiled by Mosaico Economia Política, a Brazilian consultancy. The government trimmed as many as 150,000 jobs in the 1990s, but since then has taken on twice that number, according to research at Banco Santander, the Spanish bank that is one of Brazil’s biggest foreign investors. Even with greater leeway to spend than ever before, government debt has begun to creep back up.

To help finance the growth in the size of government—and onerous pension and benefit plans—”the trend is likely to be in the direction of higher taxes, lower investments, and, thus, lower long-term growth,” Santander said in the report. The spending growth comes as consumer demand is also surging, spurred on by state lending. That has caused inflation to rear its head once more—forcing the central bank to consider raising interest rates again.

“The government can’t have it all,” warns Eduardo Giannetti da Fonseca, an economist and professor at Insper Instituto de Ensino e Pesquisa, a business school in São Paulo. “You can’t increase spending, private consumption and invest all at the same time, because something will eventually give.”

Another problem is the restrictive business environment, especially strict labor laws that date back to the 1940s and were originally modeled on the statist policies of Mussolini. Because it costs so much to start companies and hire workers, many entrepreneurs and businesses stay in the black market and pay workers informally. That creates a massive underground economy that, according to a 2005 study by McKinsey & Co., accounts for up to 40% of Brazil’s gross domestic product, takes about half of all urban jobs and drags overall economic growth by as much as 1.5% annually.

The problem is palpable across Brazil, where underground commerce is on open display from city sidewalks to public buses to the festive beaches of Rio de Janeiro. “I’d rather have a real job, but it’s a lot easier to get hired to do something like this,” says Milton, a 28-year-old vendor of pirate software and DVDs in central São Paulo, who declined to give his last name. “There’s plenty of this kind of work to go around.”

Bad Connections

Yet another obstacle to growth is a lack of infrastructure—from roads, railways and bridges to docks, airports and pipelines. Like most everything else in the country, infrastructure investment fluctuated with the booms and busts of the past. Projects were launched when times were flush, only to sit neglected for decades.

Not only is much of it old and in disrepair, but Brazil’s existing infrastructure is too small to handle the volume of people and goods currently using it—let alone accommodate new growth. The government this week is expected to announce the second phase of an ambitious “growth acceleration program” that it launched in 2007. The original plan foresaw infrastructure investments of some $342 billion, but many projects remain mired in bureaucracy. Contas Abertas, a not-for-profit research group that studies public spending, in a study this month said that only 11% of the projects outlined in the plan have been completed, while just over half have yet to be launched.

To casual observers, things will look better as Brazil gears up for hosting soccer’s World Cup in 2014 and the Summer Olympics in Rio de Janeiro in 2016. New roads and airport terminals will be christened along with modernized stadiums and scenic, well-policed promenades. But manufacturers, exporters and shippers—who regularly wait days or weeks for backlogs in ports and customs facilities to clear—know Brazil needs more than just cosmetic changes.

Progress in other areas falls short, too. Crime is still a big problem in most cities and in lawless rural areas where ruthless prospectors, loggers and landowners at times ride roughshod over their neighbors. Those charged with enforcing the law are so underpaid that police routinely look the other way in exchange for a little extra money or commit serious human-rights abuses in efforts to solve problems that overburdened courts rarely can. Using the government’s own statistics, a December report by Human Rights Watch disclosed that police in Rio and São Paulo together killed more than 1,000 people annually in recent years, many of them in execution-style “extrajudicial” killings.

Brazil’s politicians and legislators often run afoul of the law, as well. The country’s Federal Police, its most respected law-enforcement body and the agency charged with fighting corruption, currently has nearly 30,000 active investigations related to public corruption and fraud, according to a recent report. The deposed governor of Brasília, Brazil’s capital, at the moment sits in jail awaiting trial over alleged kickbacks from public construction projects.

Then there’s public education. Brazil has a popular welfare program that helps needy children by paying parents to keep them in school rather than send them out to help put food on the table. But schools themselves remain underfunded and the quality of education remains poor. Outdated university statutes mean that the best colleges, which are public and free, get filled by wealthy students from private high schools, while poorer students, the products of public schools, get stuck paying for second-rate degrees at costly classrooms in strip malls and fly-by-night academies.

Mr. da Silva and his ministers, including Ms. Rousseff, admit that much still needs to be done. The work so far, they insist, has been about laying the groundwork for stability and thereby facilitating investment and growth in the future. Now that popular social programs have helped ease suffering for the critically poor—and disastrous fallout from the financial crisis was averted—the government can begin focusing on ways to ensure it builds upon more solid economic foundations.

“If the past year was about measures to stimulate consumption,” Mr. da Silva said in a television address at the end of December, “now our emphasis is on reinforcing investments and thereby making the wheel of the economy roll in a healthy and sustainable way.”

— Mr. Prada is a staff reporter for The Wall Street Journal in São Paulo. He can be reached at paulo.prada@wsj.com .

Printed in The Wall Street Journal, page R1

Natura planeja a ampliação de suas atividades fora do país

A Natura quer ampliar sua atuação fora do país e prevê o dobro da participação das operações internacionais no faturamento da empresa em cinco anos. A projeção foi feita ontem pelo vice-presidente de Finanças e Jurídico da Natura, Roberto Pedote, na ocasião da divulgação dos resultados do terceiro trimestre.

No período, as operações internacionais da fabricante de cosméticos resultaram numa receita líquida de R$ 75,8 milhões, um avanço de 43,9% sobre o mesmo período do ano passado, representando 7,18% da receita total, que somou R$ 1,054 bilhão.

De janeiro a setembro, essa participação das vendas no exterior ficou em 7,2%, totalizando R$ 211,4 milhões e um crescimento de 50,8%. Em comparação aos nove primeiros meses de 2008, quando a representatividade internacional era de 5,7%, o resultado mostrou crescimento, “evoluindo de acordo com a expectativa nestas operações”, afirmou a empresa em nota.

A estratégia de internacionalização da empresa é parte de uma nova etapa de planejamento, cujo foco inicial está na América Latina. Neste sentido, a Natura se volta para os países considerados “em consolidação” – Chile, Argentina e Peru – onde registrou R$ 1,7 milhão de lucro líquido e margem Lajida de 7,5% no terceiro trimestre. No mesmo período do ano passado, acumulou prejuízo de R$ 3,4 milhões, e margem Lajida negativa de 2,1%. “Queremos mais ganhos de escala nessas operações”, disse Pedote.

Já na Colômbia e México, países considerados “operações em implantação”, foi registrado um prejuízo líquido de R$ 8,3 milhões e margem Lajida de 40,7% negativos, ante a perda de R$ 9,3 milhões no ano passado e margem Lajida negativa de 82,2%. Esses resultados, segundo o executivo, incluem as operações da Venezuela, encerradas em junho.

Fonte: Jornal Valor Econômico (23/10/2009)

Modelos de crescimento

NÃO HÁ COMO negar que o modelo chinês de crescimento econômico é diferente de tudo o que vinha sendo aplicado por outros países e que ele dá resultado.

No Brasil, prestar atenção à experiência chinesa não significa esquecer as referências europeia e americana que nos nortearam até a década de 90. Também não implica ignorar duas questões graves do modelo chinês como projeto de desenvolvimento: o regime político fechado e o minúsculo impacto em termos de justiça social.

Mas se nestes aspectos discordo do modelo, reconheço que vale a pena olhar para as suas virtudes. Uma delas é a forte parceria entre Estado e empresas, uma equação virtuosa na qual o governo é forte e as empresas também são fortes.

Outro ponto positivo é a construção econômica voltada para fora. As economias que se voltam para dentro não evoluem. O crescimento e o desenvolvimento só acontecem quando são gerados excedentes para exportação e as empresas se internacionalizam, com instalações e produção nos países onde estão os seus clientes.

E temos a visão de longo prazo. O fenômeno que estamos assistindo não é fruto de planejamento recente.
Quem quer chegar ao topo precisa olhar pelo menos 25 anos à frente. A China, no final dos anos 70, definiu como projeto crescer 10% ao ano durante 50 anos.

Só à guisa de comparação: há 25 anos, o Brasil exportava tanto quanto a China. E nós vendíamos mais do que eles para os Estados Unidos. Hoje, ainda somos 1% do comércio mundial, como éramos naquela época, mas a China já alcança quase 10%.

Vale também destacar no modelo chinês: carga fiscal e regulatória baixas; construção de infraestrutura de primeira classe pela combinação de gastos privados e estatais; e atração do investimento estrangeiro não como poupança externa, mas para adquirir tecnologia e para abrir novos mercados.

Há quem procure desmerecer a China tratando-a como fabricante de produtos de má qualidade, imitadora não autorizada de marcas ocidentais e exploradora de mão de obra barata. Há alguma verdade nessas acusações, embora isso não seja privilégio da China.

Inquestionável é que o modelo chinês, do ponto de vista econômico, é o mais ajustado ao mundo contemporâneo.
O Brasil também pode fomentar a cooperação entre o Estado e a iniciativa privada, consolidar uma economia exportadora e planejar a caminhada rumo aonde queremos chegar em 2040. Mas para tanto é preciso investir em educação, desenvolvimento tecnológico, infraestrutura e na criação de empresas campeãs mundiais em seus setores.


Fonte: EMÍLIO ODEBRECHT - Folha de São Paulo (25/10/2009)

Panorama do processo de internacionalização da indústria de TI brasileira

Na década de 1990, com o fim da reserva de informática, o Governo Federal criou o SOFTEX 2000 para apoiar a internacionalização da indústria de software brasileira. O Programa concentrou-se bastante no apoio a empresas com produtos que tivessem potencial de venda nos países desenvolvidos. O programa tinha cinco metas principais, sendo que aquela de maior visibilidade era a obtenção de 1% do mercado mundial de software. Nas quatro outras metas que não a participação de mercado, o programa foi bem-sucedido, mas não foi alcançado o aumento vigoroso das exportações brasileiras de software. No início dos anos 2000, o programa foi renomeado e passou a ter um foco na excelência do software brasileiro e não mais na sua exportação.

Em 1997, o Governo Federal cria a APEX. Em 2005, a APEX cria o PSI-SW como uma frente setorial para congregar as empresas de software e impulsionar o processo de exportação dos produtos e serviços destas empresas. Esse programa é conduzido em parceria com o SOFTEX que atua como um ente captador no Brasil.

Em 2003, a BRASSCOM surgiu como uma iniciativa apoiada pelo Governo Federal, mas partindo da reunião das maiores empresas produtoras de software no Brasil com vistas a exportação. Hoje esta entidade representa 70% do PIB de TI no Brasil. Ela vem preenchendo a lacuna deixada pela Sociedade SOFTEX como ente de impulsão no processo de internacionalização das empresas de software brasileiras. A grande diferença é que tal iniciativa parte do setor privado, tendo apoio do governo e um plano diretor estruturado por uma importante consultoria internacional de estratégia, AT Kearney.

Indiretamente, a FINEP também tem apoiado o processo de internacionalização das empresas brasileiras de TI com a criação dos fundos Inova Brasil e Verde-Amarelo que tem por objetivo incentivar, através de empréstimos e recursos a fundo perdido, as empresas a investirem no desenvolvimento de produtos com competitividade internacional.

O processo de internacionalização de muitas das empresas começou na década de 1990. Dentre as empresas analisadas, a Datasul tinha o processo mais antigo deles que datava de 1992, época em que o país passava por um ciclo de liberalização de sua economia, vivia o fim da reserva de mercado da informática, a abertura do país para o mundo e os avanços tecnológicos das economias mais desenvolvidas, principalmente dos EUA e do Japão.

Este primeiro ciclo de internacionalização das empresas de software é marcado por uma falta de estratégia clara, feito muitas vezes de maneira errática, utilizado pelas empresas como forma de experimentar o processo de exportação ou atender a clientes estrangeiros. Iniciam esse ciclo na década de 1990: Datasul, DBA, MATERA, CI&T, Stefanini, Modulo, Totvs e Politec. Dentre estas empresas somente DBA, Stefanini e Totvs persistiram no processo contínuo de evolução e aprendizado ao longo das décadas de 1990 e 2000. As outras empresas retiraram-se desse processo ou reduziram bastante suas atividades no exterior para um período de recapitalização e análise das lições aprendidas nessa jornada estrangeira.

Nos 2000, Datasul, MATERA, CI&T, Modulo e Politec retomam suas atividades de internacionalização com mais recursos e experiência adquiridos no mercado nacional. Ao mesmo tempo, ActMinds, BRQ, CPM Braxis, Comperantime e Spring Wireless dão seus primeiros passos na atividade internacional. Dentre elas, somente a Comperantime utiliza o processo como uma forma de teste nos mercados estrangeiros. A BRQ assume as operações internacionais como uma prioridade e busca recursos do BNDES para impulsionar esta estratégia.

O consórcio ActMinds é formado com empresas já maduras da região de Campinas, sendo comandadas por um antigo diretor do SOFTEX que possui vasta experiência no processo de exportação de software, propiciando às empresas do consórcio a oportunidade de iniciar suas atividades exteriores em um patamar superior. A CPM começa sua atuação internacional em 2004, em 2006 ocorre a fusão com a Braxis que já era resultado da fusão de outras três importantes empresas do mercado brasileiro. A empresa recebe um aporte de R$ 170 milhões para alavancar seu processo de internacionalização. Por fim, a Spring Wireless, retardatária do processo, consegue avançar a passos largos e se tornar uma das empresas mais internacionalizadas deste estudo. A Spring Wireless inicia sua internacionalização em 2006 pela Chile para testar o processo e, logo, decide que é necessário capitalizar para impulsionar esta iniciativa.

 Ao analisar os mercados escolhidos pelas empresas para sua atuação verificam-se alguns padrões: 

- Empresas que possuem produtos muito especializados em características de negócio da economia brasileira (Totvs) buscam sua expansão internacionalização pelos países latino-americanos e da comunidade lusófona. Isto decorre da percepção de que estas empresas possuem mais competitividade nos mercados emergentes dado que o nível de maturidade das economias destes países geralmente é inferior a aquele verificado na economia brasileira. 

- Empresas que possuem algum grau de inovação como aspecto de diferenciação tais como CI&T, Comperantime, Modulo e Spring Wireless. Estas empresas apresentam dois caminhos identificados neste estudo: 

  • Iniciam suas operações internacionais por países latino-americanos para testar o processo de internacionalização. A partir deste primeiro teste, elas podem continuar a expansão por estes países ou ir para mercados mais maduros, uma vez que verificaram a sustentabilidade do processo de internacionalização. Enquadram-se nesta categoria: Comperantime e Spring Wireless. 
  • Vão diretamente para os mercados maiores e mais maduros de TI, pois conseguem se posicionar em um segmento premium e não concorrer por preços naqueles mercados. Pode existir a busca de tecnologia nestes mercados mais maduros para aumentar a vantagem competitiva da empresa. Podem aqui ser categorizadas: CI&T e Modulo. 

- Empresas de serviços offshore seguem duas trajetórias distintas: 

  • Iniciam sua atuação pelos EUA ou Europa devido aos tamanhos destes mercados, seguindo para outros países da Europa ou Japão. São exemplos desta categoria: BRQ, MATERA, CPM Braxis e Politec. 
  • Iniciam sua atuação pelos países latino-americanos, de certa forma, obedecendo ao critério de expansão crescente na distância psíquica dos países-alvo selecionados. O representante desta categoria é a Stefanini IT Solutions. 

Quando se avaliam as razões que levaram estas empresas a buscarem o caminho de internacionalização encontra-se a figura de um empreendedor visionário que sempre ou desde cedo na história da empresa teve uma grande vontade de levar sua organização a vender produtos ou serviços nos mercados internacionais, ou seja, na grande maioria dos casos investigados as empresas ainda teriam muita demanda para suas ofertas no Brasil. Depreende-se assim que este processo não decorre de uma estratégia claramente definida, mas sim de uma estratégia emergente das oportunidades da empresa, do mercado internacional e da vontade do empreendedor ou executivo principal da organização. São exemplos: BRQ, CI&T, Comperantime, Modulo, Spring Wireless e Stefanini IT Solutions.  

Apesar disso, constata-se também que o maior grau de abertura da economia brasileira serviu como elemento catalisador deste processo. Algumas delas aproveitaram a existência de um maior número de organizações multinacionais no país para desenvolverem suas atuações nos países de origem das matrizes desses clientes (CI&T, Comperantime, MATERA e Spring Wireless) navegando pela rede de relacionamentos desenvolvida com a operação brasileira destas empresas. Outras empresas foram para o mercado exterior como forma de buscar novas competências, concorrer em um mercado mais sofisticado tecnologicamente ou proteger-se de concorrentes estrangeiros (Modulo, Politec e Stefanini).  

As principais barreiras encontradas no processo de internacionalização pela maioria das empresas são: 

  • Ausência ou imagem pouco relevante do software brasileiro nos mercados de TI dos países desenvolvidos; 
  • Pequena disponibilidade de linhas de financiamento para estimular a internacionalização, fusões e aquisições de empresas brasileiras; 
  • Estrutura tributária com alta taxação incidente na mão-de-obra qualificada utilizada por essas empresas; 
  • Baixa quantidade de acordos estabelecidos entre o Brasil e outros países que evitem a bi-tributação; 
  • Taxa cambial pouco competitiva nos últimos com a apreciação da moeda brasileira tornando mais caros os produtos e serviços vendidos pelas empresas nacionais nos mercados exteriores; 
  • Disponibilidade restrita de mão-de-obra fluente em línguas estrangeiras.

Para mitigar a ausência da imagem de produtor de tecnologia para o Brasil, inicialmente a APEX e mais adiante a BRASSCOM tomaram medidas com os formadores de opinião internacionais para constituir uma imagem de país que possui empresas detentoras de tecnologias avançadas e com capacidade de atender a demanda como destino de offshore alternativo à Índia. A APEX criou uma marca denominada “Brazil IT”, algo que lembra o conceito da Nike com seu “Just do it”. Se fossemos traduzir essa marca teríamos algo aproximado a “abrasileire-se”. Além de escolher os congressos mais adequados para marcar a participação brasileira, foram feitos trabalhos de conscientização e divulgação do Brasil junto a consultorias tais como Gartner Group, Forrester e McKinsey, as principais formadoras de opinião dos CIOs das grandes empresas norte-americanas.

Um grande desafio para a internacionalização da indústria de software brasileiro é o seu financiamento. No final da década de 1990, o BNDES criou o Prosoft como uma linha de crédito que não solicita garantias reais para financiar as empresas desse setor. Mas o programa parece estar ganhando velocidade de uso somente ao final dos anos 2000 em que os volumes disponíveis para empréstimo alcançaram o patamar de R$ 2 bilhões. O BNDES Participações também tem atuado mais recentemente no sentido de comprar participações nessas empresas para capitalizá-las de forma que possam financiar seus processos de internacionalização. Recentemente, o BNDES tem disponibilizado recursos para promover a criação de grandes empresas brasileiros no setor de TI e promover sua internacionalização. Ainda assim, esses recursos são escassos e concentrados em poucas empresas.

O setor de TI é altamente demandante de mão-de-obra especializada. A CLT, legislação brasileira que regulamenta o trabalho, implica em um aumento relevante nos custos da mão-de-obra através dos impostos incidentes em folha de pagamento e adicionais de salários (INSS, FGTS, férias, 13º salário, licença-maternidade, entre outros). Além disso, há todos os outros impostos incidentes sobre o faturamento (PIS e Cofins), os lucros: bruto e líquido (IRPJ e CSLL). A redução dessa carga tributária teria um impacto importante na competitividade das empresas brasileiras. Recentemente, o Governo Federal promoveu uma desoneração desta cadeia com redução dos impostos sobre a folha de pagamentos para as empresas que exportem software acima de um determinado patamar através de seu Plano de Desenvolvimento Produtivo.

A tributação é um componente que encarece o preço final das empresas em seu processo de internacionalização. Nesse contexto, a bitributação, ou seja, a incidência de impostos sobre o lucro líquido tanto no país em que instalam suas filiais como no Brasil. Ao contrário de outros países, como Espanha e Japão, o Brasil não oferece nenhum incentivo fiscal à internacionalização de suas empresas. Para minimizar o impacto de sua pesada carga tributária, o Brasil possui alguns tratados internacionais para evitar a bitributação. A lista atual da Receita Federal conta com 27 países, tais como Argentina, Chile, Equador e México. Mas desta lista não constam os EUA, o principal destino de exportações offshore das empresas brasileiras de TI. Ainda nestes países com os quais existem acordos que evitam a bitributação, sua aplicação não é simples, fator de dificuldade adicional para as empresas que queiram utilizar tais prerrogativas quando aplicáveis.

Outro desafio com implicações para a formação dos custos da indústria de software brasileira é a recente apreciação da moeda brasileira em decorrência da grande liquidez disponível em dólares para a economia nacional provenientes do ciclo internacional de valorização das commodities em âmbito mundial, principalmente dos alimentos. Em 2007, o Brasil alcançou uma situação nova em sua história: tornou-se um credor líquido em dólares, ou seja, o país possui em reservas cambiais que superam seu estoque de dívida externa. Essa grande abundância de moeda estrangeira faz com que o real ficasse bastante valorizado e encarecessem os preços de venda dos produtos e serviços das empresas exportadoras brasileiras. Nesse aspecto nada tem sido feito pelo Governo para atenuar tal situação.

Por fim, a disponibilidade de mão-de-obra treinada nas ferramentas técnicas necessárias para atender às demandas externas e, principalmente, fluentes nas línguas estrangeiras dos principais mercados-alvo para os produtos brasileiros tais como inglês, espanhol, japonês, alemão e francês tem se reduzido ao longo do tempo. Um fato curioso foi detectado neste trabalho: as empresas da região de Campinas não possuem esta restrição quando se trata da fluência na língua inglesa. Uma possível explicação para este fator diferencial é que há um grande contingente das melhores universidades brasileiras localizadas naquela região: UFSCAR, UNICAMP, USP e PUCCAMP. É possível inferir que o país desenvolva um importante diferencial competitivo se souber investir com maior intensidade nas empresas que têm acesso à força de trabalho desta região.

Ao investigar as políticas públicas disponíveis para apoiar a internacionalização da indústria de software brasileira verifica-se que as ferramentas são adequadas, mas parece que as empresas não têm conhecimento de tudo aquilo que está disponível para as apoiarem ou que elas não estão dispostas a lidar com as eventuais burocracias dos entes públicos. Outro desafio visível é o fato de que parece não haver uma entidade que coordene todos os esforços de definição e condução de objetivos claros para apoiar a indústria de software e que coloque todos os participantes deste processo em contato para trabalharem no mesmo sentido com o mesmo propósito. O mais natural seria que o Governo Federal através do Ministério do Desenvolvimento assumisse este papel, mas após o seu grande ativismo no apoio para a indústria de hardware nas décadas de 1970 e 1980, parece que o governo central não deseja se envolver de maneira muito intensa na construção de uma nova indústria do software. Aos poucos a BRASSCOM vem ocupando este espaço cuja liderança ainda não está definida. Apesar de ter uma atuação recente, a entidade parece estar tendo sucesso nesta empreitada.

Brasil é ‘vítima do próprio sucesso econômico’, diz ‘Financial Times’

Em reportagem publicada em 21/10, o diário britânico Financial Times afirma que o Brasil é “vítima do seu próprio sucesso econômico” – razão pela qual anunciou a taxação de 2% sobre o capital estrangeiro.

Em quatro artigos dedicados ao tema em quatro seções diferentes, o jornal aposta ainda, como outros, que a iniciativa deve ser pouco eficiente no objetivo de conter a apreciação do real frente ao dólar. “O principal objetivo do governo é combater a volatilidade”, diz o FT.

Fonte: BBC Brasil

O artigo mais noticioso, que ganha espaço na primeira página, afirma que, “se o governo está tentando conter o avanço estável do real em relação a outras moedas com a taxa de 2%, muitos estão céticos quanto à hipótese de dar certo”.

É que, diante das boas perspectivas para o país, a atração de capital externo tem crescido a passos largos. “O Brasil se tornou vítima de sua própria resistência à crise”, diz o correspondente do jornal em São Paulo.

No momento em que grande parte do mundo ainda sofre com os efeitos crônicos da recessão, o país “deu os ombros” para a crise e está “voltando rapidamente para um forte crescimento”, afirma o diário.

Como explicou um analista, citado em uma segunda matéria, com a taxa o governo brasileiro “está lutando contra todo o mercado”. “Todo mundo quer estar no Brasil neste momento”, disse, ao jornal.

Em dois outros artigos, mais analíticos, o FT avalia outras razões para a apreciação do real. O jornal diz que, se tiver sido unicamente por causa da riqueza gerada – rapidamente – pela alta das commodities, há razões para impor a taxa e tentar evitar a especulação financeira.

“Por outro lado, se a força do real se dever à permanente mudança nos termos de comércio do Brasil, há pouco que o governo possa fazer. Uma taxa de câmbio sobrevalorizada pode reduzir a competitividade, mas a resposta a isso é mais produtividade.”

“Pelo menos o real forte faz os brasileiros se sentirem mais ricos, um bônus político antes das eleições do ano que vem”, diz o FT. Além disso, diz o jornal, a taxa que torna menos atrativo o capital de curto prazo também torna menor a saída de recursos à medida que a recuperação econômica melhorar a atratividade de outras partes do mundo.

Para o jornal, “esta ação preventiva é um sinal promissor do amadurecimento financeiro do Brasil”.

Outros jornais

Em outros jornais estrangeiros, a taxação de capital estrangeiro também ganhou destaque.

Para o americano Wall Street Journal, a medida “sublinha a enorme demanda dos investidores por ativos brasileiros, no despertar da crise financeira global. O forte sistema bancário e a classe consumidora ajudaram a anular o efeito da desaceleração econômica, tornando a nação sul-americana um dos poucos lugares bem-sucedidos no mundo”.

Nas palavras do Cinco Días, o maior diário financeiro da Espanha, “o escolhido para os Jogos Olímpicos de 2016 está em moda, mas se recusa a se converter na próxima bolha especulativa”. Para o jornal, a “disparada” do Brasil é indiscutível, mas “a entrada de divisas também tem seu lado negativo, algo que, nos últimos anos, a Islândia pôde comprovar”.

O também espanhol El País observa que “a primeira grande crise da globalização deixa, até o momento, dois grandes ganhadores: os emergentes asiáticos e o Brasil”. “Em ambos os casos o sucesso tem seus perigos”, diz o jornal. “A bolsa brasileira subiu mais de 70% e o real se valorizou mais de 30% no ano: dois sinais de fortaleza, mas também de um perigoso reaquecimento.”

Nas palavras do argentino Clarín, a iniciativa do governo tem por objetivo “evitar que os investidores estrangeiros convertam o Brasil no que se define, em português, como a bola da vez, ou seja, o país do momento para os grandes ganhos oportunistas”.

Cenários para 2030 – Brasil Celeiro do Mundo

O objetivo destes posts é descrever três cenários para o Brasil de 2030, ocasião na qual o país já teria comemorado seu segundo centenário de independência há oito anos. Serão descritos três cenários para o país em 2030 com as respectivas pré-condições para que eles se concretizem.

No primeiro cenário o país assume de maneira definitiva sua centenária condição de celeiro do mundo, deitado em seu eterno berço esplêndido, e contenta-se em assistir a China e a Índia dominarem seu desenvolvimento industrial e de serviços e disputa com a Rússia a condição de grande exportador mundial de commodities.

No segundo cenário o país torna-se um grande produtor mundial de petróleo, gás e álcool, permitindo que ocorra uma grande concentração de sua economia através do efeito colateral pela “doença holandesa”. A partir de suas descobertas de grandes jazidas de petróleo na camada pré-sal e do desenvolvimento de sua vantagem competitiva na produção de biocombustível, o país torna-se a “Usina Energética” do mundo.

No terceiro cenário, o país toma em suas mãos o papel de guiar seu destino rumo à construção de uma nação que educa seu povo, promove um desenvolvimento industrial equânime e mostra para o mundo a alternativa de constituição de uma civilização na qual a tolerância à diferença e o combate às desigualdades e injustiças constituem-se no eixo motriz de seu processo de evolução. Nesse cenário, o Brasil disputa em pé de igualdade a liderança mundial com China, Estados Unidos e Índia.

Esse trabalho utiliza os cenários projetados pelo relatório “Dreaming with BRICs: The Path to 2050”, que cria o acrônimo BRIC, significando Brasil, Rússia, Índia e China e as aponta como as economias de crescimento econômico mais acelerado nas próximas décadas, colocando-as entre as cinco maiores economias do planeta no ano de 2050 (Goldman Sachs, 2003).

Como os países se tornam mais ricos?

A resposta a questão sobre como os países se desenvolvem e se tornam ricos é bastante controversa e complexa. O relatório de Goldman Sachs (2003) possui uma orientação mais liberal ao propor uma explicação para esse tema.

Segundo o relatório, na medida em que as economias em desenvolvimento crescem, elas desenvolvem um potencial para alcançar taxas mais elevadas até se igualar em nível de desenvolvimento ao Primeiro Mundo. Esse potencial se origina de duas fontes. A primeira é que economias em desenvolvimento possuem menos capital por trabalhador do que as economias desenvolvidas; os retornos sobre capital são maiores e um dado investimento resulta em taxas mais elevadas no estoque de capital. A segunda fonte é aquela na qual os países em desenvolvimento podem usar tecnologias disponíveis em países mais desenvolvidos para alcançar as técnicas desses países mais avançados.

Na medida em que os países se desenvolvem, essas forças perdem seu ímpeto e as taxas de crescimento tendem a diminuir para o patamar dos índices de países desenvolvidos. No Japão e Alemanha, as taxas de crescimento muito aceleradas nas décadas de 1960 e 1970 deram lugar a um crescimento moderado nos anos 1980 e 1990. Isso explica porque uma simples extrapolação de crescimento traz previsões irreais ao longo do tempo. Um simples exemplo seria o chinês: assumindo que o crescimento do PIB chinês se mantenha em um ritmo de 8% ao ano ao longo das três próximas décadas, teríamos uma previsão de que a economia chinesa seria três vezes maior do que a norte-americana em 2030 e 25 vezes maior em 2050 (Goldman Sachs, 2003).

Cenário: “Brasil – Celeiro do Mundo”

Desde o período Imperial, muitos intelectuais, economistas e políticos brasileiros afirmam que a vocação natural brasileira é ser um grande produtor e exportador de produtos agrícolas. Talvez uma frase do Visconde de Itaboraí, político no período imperial e maior inimigo do Barão de Mauá na ocasião, tenha celebrizado essa percepção: “O Brasil não deve fugir de sua vocação como grande produtor agrícola. A industrialização é uma besteira!” Desde então, poucos de nossos governantes tiveram a real disposição de mudar esse destino “inexorável” das terras tupiniquins.

Segundo o estudo de Goldman Sachs, em 2050 o Brasil será a quinta maior economia do mundo.

Fonte: Goldman Sachs

Fonte: Goldman Sachs

Tabela 2: As maiores economias mundiais em 2050

O estudo prevê um crescimento médio para o Brasil de 3,7% para os qüinqüênios que vão desde 2000 até 2050. Com essa taxa de crescimento de seu PIB no ano de 2030 o Brasil seria o 9º colocado dentre os maiores PIBs do mundo. Uma estimativa bastante conservadora, considerando que hoje o Brasil já ocupa a 10ª posição[1] e no passado já chegou a ocupar a 8ª posição.

Fonte: Goldman Sachs

Fonte: Goldman Sachs

 Tabela 4: PIB estimado para países do G6 atual e futuro G6 (BRIC, EUA e Japão)

Considerando que tais premissas seriam extremamente conservadoras, esse cenário está plenamente alinhado com a expectativa de que o país cresça com base em produtos primários e energia.

A premissa não explicita desse cenário, mas já colocada inúmeras vezes na imprensa é de que Brasil e Rússia serão os grandes fornecedores de commodities para China e Índia. Colocado de maneira metafórica, esses países representariam por sua vez os papéis de fábrica e escritório do mundo.

Premissas do cenário

O estudo define quatro pré-condições para que todos os países do BRIC tenham condições de atingir esse cenário: estabilidade macroeconômica, capacidade institucional, abertura e educação. O trabalho argumenta a importância de cada um desses aspectos da seguinte forma:

  • Um ambiente de instabilidade macroeconômica pode dificultar o crescimento por distorcer os preços e os incentivos. A inflação minaria o crescimento por desencorajar a poupança e o investimento.
  • As instituições influenciaram a eficiência da economia mais da forma como a tecnologia faria, ou seja, instituições mais eficientes permitiriam uma economia produzir mais bens com menos recursos.
  • A abertura ao comércio e ao investimento direto produtivo poderia fornecer acesso a bens importados, novas tecnologias e a mercados mais amplos. Apesar dos estudos não serem conclusivos sobre as conseqüências de políticas de substituição de importações e promoção de exportações, eles indicariam uma tendência de correlação positiva entre abertura e crescimento.
  • Na medida em que a economia cresça rapidamente, ela pode enfrentar déficits de profissionais qualificados. Assim vão se tornando cada vez mais necessários, trabalhadores com mais anos de escolaridade. Os estudos apontam para uma correlação positiva entre anos de estudos e taxa de crescimento do PIB. Portanto, a educação seria um elemento fundamental para não se transformar em gargalo para a manutenção das taxas de crescimento estimadas.

Especificamente no caso do Brasil, haveria duas outras condições que deveriam ser cumpridas para que as premissas do estudo tenham condições de se materializar.

  • O Brasil possui taxas médias de investimento mais baixas do que os outros países do BRIC e, portanto, teria que elevar tais níveis.
  • A dívida interna do Brasil é muito superior do que a dívida de seus congêneres do BRIC e tal débito poderia representar uma barreira para o crescimento. Seria necessária a implementação de um ajuste fiscal mais severo. 

Como seria o “Brasil – Celeiro do Mundo”?

A tabela a seguir descreve como seria o Brasil desse cenário.

Critério Situação em 2030
População brasileira1 Aproximadamente 238 milhões
Posição mundial no ranking de PIBs4
Posição mundial no ranking do IDH3 38ª
Valor do IDH2 0,87 (grupo: alto desenvolvimento humano)
Expectativa de vida (em anos)3 76,3 anos
Taxa de analfabetismo2 3%
Taxa de analfabetismo funcional2 6,4%
Taxa bruta de matrículas (7 a 14 anos)2 99,0%
Taxa bruta de matrículas (15 a 17 anos)2 90,0%
PIB per capital (US$)4 9.823
Os dez principais produtos da pauta de exportação2 Petróleo, combustíveis (álcool, gasolina e biodiesel), minérios, ferro e aço, carne bovina, veículos populares, soja, açúcar, café e papel e celulose.
Principais instituições mundiais da qual é membro2 Alca, Banco Mundial, FMI, OIT, OMC (subsídios agrícolas reduzidos), OMS, ONU, OPEP

Tabela 5: O Brasil de 2030 no cenário “Celeiro do Mundo”

Fonte: 1 Estimativa IBGE; 2 Estimativas do próprio autor; 3 Estimativa de que o Brasil atinja o nível de desenvolvimento humano da Argentina de 2005; 4 Relatório Goldman Sachs;

 


[1] Fonte: Banco Mundial – Dados de 2006

Cenários para o Brasil de 2030 (introdução)

Iniciarei a partir deste post a discussãode cenários para o Brasil de 2030. Neste post tratarei do Brasil atual e de suas características.

O Brasil surgiu para o mundo como uma colônia exportadora de commodities e assim o se manteve ao longo de toda a sua história. O país passou pelos ciclos do pau-brasil, açúcar, algodão, látex para produção da borracha, café, e mais recentemente a soja e o minério de ferro. Esse é o único país do mundo cujo nome deriva de uma commodity (Furtado, 1959).

Até o início do século XX, o Brasil era um país basicamente agrário. Anteriormente ao Governo de Getúlio Vargas existiram algumas iniciativas de industrialização do país, mas de forma não ordenada e incipiente. Talvez Irineu Evangelista de Souza, mais conhecido como Barão de Mauá tenha sido o grande expoente desse movimento e também os imigrantes alemães e italianos que chegaram ao Brasil em um momento posterior.

Após da década de 1930, o Brasil viveu um acentuado processo de desenvolvimento econômico, com a criação de indústrias nos mais variados segmentos. Foram três os períodos de maior pico: o governo de Getúlio Vargas (de 1930 a 1945), os anos JK (de 1956 a 1960) e os anos da ditadura militar (de 1964 a 1985). Durante esses momentos de auge da indústria nacional, o Estado Brasileiro atuou de forma intensa planejando a economia, criando empresas estatais em setores inexistentes ou incipientes.

Com o recente processo de industrialização, que praticamente ocorreu em um século, o Brasil começou a surpreender seus congêneres mundiais com o desenvolvimento de setores industriais de alto valor agregado e a exportação de tecnologia brasileira, demandante de pessoal com elevado nível de capacitação técnica. Setores como a indústria aeronáutica com tecnologia autóctone, a indústria automobilística exportadora de inúmeros veículos e também constituinte de uma parte relevante do setor no mundo, inserida no processo de “global sourcing”[1], a maior indústria de Tecnologia da Informação da América Latina e o desenvolvimento de uma indústria energética com combustíveis limpos constituem algumas das conquistas mais notáveis alcançadas por esse histórico de desenvolvimento industrial.

Ao final de 1970, com a ascensão de Margareth Thatcher como primeira ministra do Reino Unido, iniciou-se o processo de liberalização e globalização de bens e serviços do século passado. Ao longo das duas décadas seguintes, apoiado pelo Consenso de Washington, houve um grande movimento de privatizações e liberalizações das economias nacionais pelo mundo. Iniciava-se ali o fim da utilização das idéias keynesianas, e cepalinas, mais regionalmente, nas economias dos países em desenvolvimento. O estado passa a ser satanizado e Adam Smith volta a ser glorificado.

Friedrich List[2] afirma que os países passam por quatro grandes fases durante seu processo de desenvolvimento econômico:

  1. Inicialmente ocorre a identificação de uma matéria-prima a partir da qual o país constitui sua base econômica e de transações com outras nações em nível mundial. No caso brasileiro, a partir da independência o café representou esse produto no contexto da constituição e expansão da base econômica de exportação.
    1. Implanta-se uma política de substituição de importações para permitir o desenvolvimento de uma indústria nacional razoavelmente diversificada com bases nas receitas geradas no momento anterior ao modelo.
    2. Abre-se a economia do país para competição direta com produtos estrangeiros, aumentando seu nível de produtividade e trazendo uma maior especialização para aqueles bens competitivos em escala internacional.
    3. A partir de uma base industrial consolidada e com produtos de maior conteúdo tecnológico agregado, os países passam a internacionalizar suas empresas, buscar novos mercados para seus produtos e defender modelos liberais para outras nações que ainda não tenham vivido o processo de desenvolvimento anteriormente descrito.

O Brasil viveu completamente as duas primeiras etapas desse processo em sua história. A partir da década de 1990, com a abertura comercial, a terceira etapa do processo foi implantada com razoável sucesso.

Como é o Brasil de hoje?

Dentre os produtos mais exportados no ano de 2007, que constituíram um total de US$ 137,5 bilhões, um total de menos de 35% constitui-se em bens industriais seja de capital ou de consumo. O restante da pauta de exportação compõe-se por matérias-primas, combustíveis e outros produtos não-industriais (Anuário de Comércio Exterior, 2007).

Sob Lula, o Brasil encontra-se em um ponto de inflexão histórico a partir do qual deve decidir se deseja retornar ao ponto de ser somente um grande produtor de bens agrícolas ou se deseja educar seu povo e tomar as medidas que conduzirão seu desenvolvimento econômico no sentido de produzir e exportar bens de elevado valor agregado.

A tabela a seguir demonstra os principais indicadores do Brasil de 2008.

Critério Situação atual
População brasileira1 Aproximadamente 187 milhões
Posição mundial no ranking de PIBs2 10ª
Posição mundial no ranking do IDH3 70ª
Valor do IDH3 0,8 (grupo: alto desenvolvimento humano)
Expectativa de vida (em anos)3 71,7 anos
Taxa de analfabetismo1 10,4%
Taxa de analfabetismo funcional1 22,2%
Taxa bruta de matrículas (7 a 14 anos)1 97,6%
Taxa bruta de matrículas (15 a 17 anos)1 82,2%
PIB per capital (US$)4 2.835
Os dez principais produtos da pauta de exportação por ordem decrescente de valor transacionado (US$ milhões)5 Veículos e autopeças (16.598), petróleo (12.784), minérios (9.745), ferro e aço (9.432), soja (9.311), açúcar (6.167), máquinas e equipamentos (4.454), produtos químicos (4.274), papel e celulose (4.005) e carne bovina (3.879).
Principais instituições mundiais da qual é membro6 Banco Mundial, FMI, OIT, OMC, OMS, ONU, Mercosul

Tabela 1: O Brasil de 2008 em fatos e números

Fonte: 1 IBGE – Dados de 2006; 2 Banco Mundial – Dados de 2006; 3 PNUD – Dados de 2005; 4 Relatório Goldman Sachs; 5 Anuário de Comércio Exterior – Dados de 2007; 6 Ministério do Desenvolvimento – Dados de 2008

Objetivos da série de três artigos

O objetivo desta série de artigos é descrever dois cenários para o Brasil de 2030, ocasião na qual o país já teria comemorado seu segundo centenário de independência há oito anos. Serão descritos dois cenários para o país em 2030 com as respectivas pré-condições para que eles se concretizem.

No primeiro cenário o país assume de maneira definitiva sua centenária condição de celeiro do mundo, deitado em seu eterno berço esplêndido, e contenta-se em assistir a China e a Índia dominarem seu desenvolvimento industrial e de serviços e disputa com a Rússia a condição de grande exportador mundial de commodities.

No segundo cenário, o país toma em suas mãos o papel de guiar seu destino rumo à construção de uma nação que educa seu povo, promove um desenvolvimento industrial equânime e mostra para o mundo a alternativa de constituição de uma civilização na qual a tolerância à diferença e o combate às desigualdades e injustiças constituem-se no eixo motriz de seu processo de evolução. Nesse cenário, o Brasil disputa em pé de igualdade a liderança mundial com China, Estados Unidos e Índia.

Estes artigos utilizam os cenários projetados pelo relatório “Dreaming with BRICs: The Path to 2050”, que cria o acrônimo BRIC, significando Brasil, Rússia, Índia e China e as aponta como as economias de crescimento econômico mais acelerado nas próximas décadas, colocando-as entre as cinco maiores economias do planeta no ano de 2050 (Goldman Sachs, 2003).


[1] “Global sourcing” é uma estratégia de compras que tem como objetivo explorar eficiências em escala global na produção. Apesar de normalmente essa estratégia ser utilizada como uma forma de identificação de fontes globais mais baratas, agora tem sido vista como um passo padrão na expansão global das empresas.

[2] A versão original da obra, denominada “Das Nationale System der Politischen Ökonomie”, foi publicada em 1841. A indicação colocada neste trabalho refere-se à versão brasileira da obra. Essa publicação tornou Friedrich List o autor alemão mais consultado e referenciado após Karl Marx. List apresentou conceitos que faziam um contraponto às teorias de Adam Smith e Karl Marx defendendo a colaboração global entre governos e empresas. Tais teorias apresentam-se válidas, mais de 150 anos após sua publicação.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.